domingo, 19 de setembro de 2010

Vivam Sem Medo

Shrii Shrii Anandamurti

DMC de 3 de Agosto de 1978, Patna.

Este universo é a criação de Parama Puruśa.[1] Quem é esse Parama Puruśa? Ele é o seu pai. Portanto, este universo é propriedade do pai de vocês. Vocês não devem esquecer disto nem por um momento sequer. Vocês não devem temer nenhuma força imoral ou má deste mundo. O temor não é a característica [2] de vocês, não é o Dharma de vocês. O dever de vocês é de marchar adiante. Vocês devem mover-se adiante. Vocês sempre têm o apoio de Parama Puruśa.



Com relação a Parama Puruśa diz-se: Karmádhyakśa sarvabhútádhivásah.[3] Os seres humanos não podem fazer coisa alguma com o seu próprio poder. Eles não têm poder nenhum que seja deles. São realmente os maiores tolos aqueles que pensam que trabalham com a sua própria força. A existência dos seres humanos, as suas ações, o seu tudo é verdadeiramente dependente da graça de Parama Puruśa. As pessoas que entendem isso cedo em suas vidas são sábias. É verdade que algumas vezes os seres humanos sentem-se fracos. E quando é que eles sentem-se fracos? Eles sentem-se fracos quando isolam-se do Pai Supremo, afastam-se Dele. Mas no momento em que eles novamente se dão conta Dele, eles começam a entender que não são inferiores, que não são grosseiros, que são filhos do Pai Supremo, que são filhas do Pai Supremo – [então] eles instantaneamente ganham força. Lembrem-se sempre: Karmádhyakśa. Vocês trabalham com o poder Dele, você não têm poder. Por isso, vocês não têm que pensar se vocês vão conseguir fazer esse trabalho, se esse trabalho é possível para vocês. Vocês certamente serão capazes para fazê-lo se houver a graça do Pai Supremo. Por que vocês não seriam capazes de fazê-lo? Vocês certamente serão capazes de fazê-lo. Enquanto estão fazendo seu trabalho vocês estão sempre às vistas Dele. Ele está sempre vendo vocês – vocês não estão sozinhos, vocês jamais estão sozinhos. Em nenhuma circunstância vocês estão sozinhos.



Os seres humanos jamais estão sozinhos, mas quando eles se dão conta disso, existe nisso uma vantagem, como também uma desvantagem. A desvantagem é que o olho do Pai Supremo está sempre sobre mim – Ele está constantemente me olhando. Caso eu faça alguma ação errada, Ele irá vê-la na mesma hora. Não há chance de se fazer nada secretamente. Essa é a desvantagem – uma grande desvantagem. E a vantagem é que em nenhuma circunstância eu estou sozinho. Já que o Pai Supremo está comigo, por que eu deveria temer a alguém? Por que eu deveria ter qualquer medo? Não há razão para se ter medo. Eu tenho de me mover adiante. O temor não é meu trabalho. Que o medo me tema, eu não irei temer.



Portanto, eu apenas direi a vocês para moverem-se adiante, e que Parama Puruśa certamente está com vocês. E a força do mal, o que é ela? Se Parama Puruśa é o sol, a força do mal é um vagalume. Então, o que há para se temer num vagalume? Alguém alguma vez ficou com medo das pedrinhas no caminho? As pessoas seguem em frente jogando-as para as valas com os golpes dos seus pés. Sigam adiante, vivam sem medo. Continuem o seu movimento adiante. O que mais eu deveria dizer? Eu não tenho mais nada a dizer.

* * *

Tradução: Mahesh – Florianópolis; 18 de setembro de 2010.

Fonte: Edição Eletrônica das Obras de P. R. Sarkar – versão 7 (em inglês).

Este texto também aparece em: Subháśita Saḿgraha Part 19.

[1] N.T.: “Consciência Suprema”.

[2] N.T.: O autor usa a palavra wont no original, significando “característica” ou “aquilo que denota a existência de uma entidade”.

[3] N.T.: “Ele preside sobre todas as ações e é o abrigo final de todos os seres.” (Nota do Editor em: Shrii Shrii Anandamurti. “A Cognição Suprema”. In: Subháśita Saḿgraha Part 24. DMC de 26 de Setembro de 1966, Surat.)

sábado, 11 de setembro de 2010

Pergunta a Ramesh

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Abrazos

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Aristóteles


Aristóteles, filósofo grego, escreveu este texto “Revolução da
Alma” no ano 360 A.C. ... e é eterno. Vamos a ele!

Ninguém é dono de sua felicidade, por isso: não entregue sua alegria, sua paz e sua vida nas mãos de ninguém, absolutamente ninguém!

Somos livres, não pertencemos a ninguém e não podemos querer ser donos dos desejos, das vontades ou dos sonhos de quem quer que seja.

A razão da sua vida é você mesmo.
A sua paz interior é a sua meta de vida.

Quando sentir um vazio na alma, quando acreditar que ainda está faltando algo, mesmo tendo tudo, remeta seu pensamento para os seus desejos mais íntimos e busque a divindade que existe em você.

Pare de colocar sua felicidade cada dia mais distante de você. Não coloque objetivos longe demais de suas mãos, abrace os que estão ao seu alcance hoje.

Se anda desesperado por problemas financeiros, amorosos ou de relacionamentos familiares, busque em seu interior a resposta para acalmar-se.
Você é reflexo do que pensa diariamente.

Sorrir significa aprovar, aceitar, felicitar. Então abra um sorriso para aprovar o mundo que quer oferecer a você o melhor.

Com um sorriso no rosto as pessoas terão as melhores impressões de você, e você estará afirmando para você mesmo, que está "pronto“ para ser feliz.

Trabalhe, trabalhe muito a seu favor. Pare de esperar a felicidade sem esforços. Pare de exigir das pessoas aquilo que nem você conquistou ainda.

Critique menos, trabalhe mais.
E, não se esqueça nunca de agradecer.

Agradeça tudo que está em sua vida neste momento, inclusive a dor. Nossa compreensão do universo ainda é muito pequena para julgar o que quer que seja na nossa vida.

A grandeza não consiste em receber honras, mas em merecê-las.

Se você anda repetindo muito: “eu preciso tanto de você” ou, “você é a razão da minha vida” - cuide-se.

É lícito afirmar que são prósperos os povos cuja legislação se deve aos filósofos.

A inteligência é a insolência educada.

Nosso caráter é o resultado de nossa conduta.

Egoísmo não é amor, mas sim, uma desvairada paixão por nós próprios.

O homem sábio não busca o prazer, mas a libertação das preocupações e sofrimentos.

Ser feliz é ser auto-suficiente.. .

Seja senhor de sua vontade e escravo da sua consciência.